Revisão: Priscila

Por toda minha vida morei na capital de meu estado, Goiânia- Goiás e em dezembro passado tive oportunidade de vir trabalhar e morar em interior pequeno.

Abracei a causa, pois era uma vontade antiga. Sempre ouvi falar muito bem das cidades pequenas de meu estado, principalmente em relação à vida calma e tranqüila.

Ao me instalar com esposa e filha nesta cidade, fazendo quase um ano, posso levantar alguns paralelos e situações antagônicas. De fato vida interiorana é mais calma e tranqüila. O centro da cidade não é movimentado como da capital, não há congestionamento, semáforos e tampouco transporte coletivo municipal. Não há aquela pressa em resolver qualquer coisa, nisso ainda sofro, porque nunca em minha vida vi, por exemplo, uma televisão ser consertada em três semanas e não foi culpa dos correios. Havendo menos trânsito há menos poluição sonora e ambiental. Aqui não há outdoors, e bem menos pedintes, mesmo levando-se em conta a proporcionalidade.

Como já foi dito em textos anteriores, a moeda tem dois lados: O comércio é bem pequeno, logo não há muita variedade de escolha, sob todos os aspectos. Contratação de serviço autônomo é uma loteria.

Agora digo o aspecto que me surpreendeu: a tranqüilidade. Em meu tempo de folga posso dedicar a fazer também coisas que gosto e adiava antes. Há quanto tempo eu não via um pôr-do-sol, se você que está lendo e acha que isso é besteira faço uma sugestão: esqueça o mundo, sente-se e veja um por do sol. Para mim não há espetáculo melhor. É diário, de graça e não precisa se deslocar para lugar algum, normalmente não. Também iniciei essa idéia de escrever por aqui, se não houvesse essa mudança talvez iria ser postergado eternamente.

Morar em cidade grande tem prós e contras, assim como morar em cidade pequena. Vai de cada pessoa analisar seus objetivos e verificar onde tem maior possibilidade de cumpri-los. Posteriormente a isso decidir onde morar. E após a instalação, usufruir do que a cidade oferece de positivo e contornar os aspectos negativos, se bem que esta última parte nem sempre é fácil.

1 comentários:

claudiapredolim disse...

Bem verdade amigo, ainda bem que não mora em cidade pequena e turistica (ainda por cima), é uma delícia ter filas nas padarias em época de temporadas, carros lentamente passeando na sua frente como se a cidade inteira estivesse em férias, uma rodovia cujo pedágio é o mais caro do planeta (detalhe, vc no contra-fluxo, na estrada construida há mais de 50 anos) pq a rodovia nova fica pros turistas...